Reader

Read the latest posts from The Whole Blog.

from snows

Quem, não sei bem

Porque preciso de gente

Gente que me faz bem

Que me alimente

Gente que entre

Mas que também sai

Que reentre

E que não mais ressai

Que deixe marca do bem

Mas que mostre o mal

Porque só assim exibem

O que possa ser abnormal

É disto que nos alimentamos

Da incerteza duma certeza

E desta forma pautamos

Uma espécie de tristeza

Tristeza porque lutamos

Contra a dúvida

Daquilo que ambicionamos

Uma dúvida precavida

Algo que passa a ávida

Mas que conforta

Sensação que é devida

E por instantes absorta

Quem és, não sei bem

Sei que enalta

Pois meu-bem

Fazes-me… falta

© Snows, 2024

 
Leia mais...

from The Whole Blog

It started with a boy I met at summer camp and ended with the man for whom I left my first husband. In between, I careened from one intimate entanglement to the next — dozens of them — without so much as a day off between romances. You might have called me a serial monogamist, except that I was never exactly monogamous. Relationships overlapped, and those overlaps were always marked by exhausting theatricality: sobbing arguments, shaming confrontations, broken hearts. Still, I kept doing it. I couldn’t not do it.

I can’t say that I was always looking for a better man. I often traded good men for bad ones; character didn’t much matter to me. I wasn’t exactly seeking love, either, regardless of what I might have claimed. I can’t even say it was the sex. Sex was just the gateway drug for me, a portal to the much higher high I was really after, which was seduction.

Seduction is the art of coercing somebody to desire you, of orchestrating somebody else’s longings to suit your own hungry agenda. Seduction was never a casual sport for me; it was more like a heist, adrenalizing and urgent. I would plan the heist for months, scouting out the target, looking for unguarded entries. Then I would break into his deepest vault, steal all his emotional currency and spend it on myself.

If the man was already involved in a committed relationship, I knew that I didn’t need to be prettier or better than his existing girlfriend; I just needed to be different. (The novel doesn’t always win out over the familiar, mind you, but it often does.) The trick was to study the other woman and to become her opposite, thereby positioning myself to this man as a sparkling alternative to his regular life. Soon enough, and sure enough, I might begin to see that man’s gaze toward me change from indifference, to friendship, to open desire. That’s what I was after: the telekinesis-like sensation of steadily dragging somebody’s fullest attention toward me and only me. My guilt about the other woman was no match for the intoxicating knowledge that — somewhere on the other side of town — somebody couldn’t sleep that night because he was thinking about me. If he needed to sneak out of his house after midnight in order to call, better still. That was power, but it was also affirmation. I was someone’s irresistible treasure. I loved that sensation, and I needed it, not sometimes, not even often, but always.

I might indeed win the man eventually. But over time (and it wouldn’t take long), his unquenchable infatuation for me would fade, as his attention returned to everyday matters. This always left me feeling abandoned and invisible; love that could be quenched was not nearly enough love for me. As soon as I could, then, I would start seducing somebody else, by turning myself into an entirely different woman, in order to attract an entirely different man. These episodes of shape-shifting cost me dearly. I would lose weight, sleep, dignity, clarity. As anyone who has ever watched a werewolf movie knows, transmutation is excruciating and terrifying, but once that process has been set into motion — once you have glimpsed that full moon — it cannot be reversed. I could endure these painful episodes only by assuring myself: ‘‘This is the last time. This guy is the one.’’

Back then, if you asked me what I was up to, I might have claimed that I was a helpless romantic — and how can you judge that? If really cornered, I might have argued that I was a revolutionary feminist, taking brazen agency over my own sexuality: I was Rodolphe Boulanger in these stories, and never pathetic little Emma Bovary.

In my mid-20s, I married, but not even matrimony slowed me down. Predictably, I grew restless and lonely. Soon enough I seduced someone new; the marriage collapsed. But it was worse than just that. Before my divorce agreement was even signed, I was already breaking up with the guy I had broken up my marriage for. You know you’ve got intimacy issues when, in the space of a few short months, you find yourself visiting two completely different couples’ counselors, with two completely different men on your arm, in order to talk about two completely different emotional firestorms. Trying to keep all my various story lines straight (Whom am I angry at, again? Who is angry at me now? Whose office is this?) made my hands shake and my mind splinter.

At our last counseling session, my soon-to-be-ex-boyfriend and I argued bitterly, and we ran off in different directions. I came home in tears, only to find a string of distressing phone messages from my divorce lawyer: Nothing but ruin on that front too. Then I did an unusual thing. I did not grab the telephone and call yet another man. Instead, I asked myself, ‘‘What are you doing with your life?’’ For the first time, I forced myself to admit that I had a problem — indeed, that I was a problem. Tinkering with other people’s most vulnerable emotions didn’t make me a romantic; it just made me a swindler. Lying and cheating didn’t make me brazen; it just made me a needy coward. Stealing other women’s boyfriends didn’t make me a revolutionary feminist; it just made me a menace. I hated that it took me almost 20 years to realize this. There are 16-year-old kids who know better than to behave this way. It felt shameful. But once I got it, I really got it: There is no way to stop a destructive behavior, except to stop.

I spent the next six months celibate and serious, working with a good therapist, trying to learn if I even existed at all when I wasn’t blazing in the heat of somebody’s longing gaze. Then one afternoon I ran into a guy I liked. We went for a long walk in the park. Flirted. Laughed. It was sweet. Eventually he said, ‘‘Would you like to come back to my apartment with me?’’

Yes! My God, how I wanted to unwrap this man like a Christmas present!

But I also didn’t want to: I was only beginning to pull myself together, and I feared unraveling.

Uncertain, I tried something radically new. I said, ‘‘Do you mind if I take a moment to think about this?’’

‘‘Sure,’’ he said.

We sat down on a park bench, and I got very quiet, picturing all the imaginable outcomes of this decision. The man took a magazine from his backpack and started reading, just to pass the time. This helped, actually. It proved the absence of intoxicating desperation. This was not seduction; this was merely two sober adults, deciding whether they should get more involved with each other.

I said: ‘‘You know what, my friend? I don’t think I’m ready for this.’’

He said: ‘‘No problem. Let’s get Italian ices, instead.’’

We spent a few more pleasant hours together, then said our goodbyes. I walked away alone but calm. And that’s when I realized that the better part of my life had already begun. Elizabeth Gilbert is the author of the memoir ‘‘Eat, Pray, Love.’’ Her new book, ‘‘Big Magic: Creative Living Beyond Fear,’’ will be published by Riverhead Books in September.

By Elizabeth Gilbert – 2015

https://nyti.ms/1SJr4Ow

 
Leia mais...

from The Whole Blog

Porque neste nosso mundo el@s também “andem aí”... e muito, fica aqui a transcrição de um excelente texto sobre o narcisismo.

Como reconhecer (e despachar) um narcisista

É um ser cheio de si, nariz empinado e ego inflamado, que se olha como único e especial. Desvaloriza e menospreza os outros, esconde inseguranças e vulnerabilidades dentro de si. O que fazer? Bater o pé ou virar as costas?

Espelho meu, espelho meu, haverá alguém tão maravilhoso e importante quanto eu? Parece que não. A pergunta é uma mera questão retórica porque a resposta é mais do que óbvia para um narcisista. Um ser vaidoso e pretensioso que reclama admiração constante, ego nos píncaros, inchado e inflacionado, empatia zero. Exige muito dos outros, dá pouco de si. Este é um mundo muito próprio, uma maneira de ser particular. Como lidar com tudo isto?

“O narcisista considera-se o mais bonito, o mais inteligente, o mais importante, como tal requer tratamento especial”observa Catarina Mexia, psicóloga clínica e terapeuta familiar. Menospreza para diminuir e manipular, sobretudo quando há uma relação emocional forte. Zanga-se quando não tem tratamento especial, facilmente se sente desprezado, tem dificuldade em regular emoções e adaptar-se às mudanças. Deprime quando não atinge a perfeição, abafa sentimentos de insegurança e vulnerabilidade.

Nuno Mendes Duarte, psicólogo clínico e psicoterapeuta, junta mais alguns traços narcísicos do ponto de vista do diagnóstico.

“Um padrão invasivo de grandiosidade (em fantasia ou comportamento), necessidade de admiração e falta de empatia, que começa no início da idade adulta e está presente numa variedade de contextos.”

Um narcisista move-se num determinado circuito que considera estar ao seu nível de valor e importância. “Sentir que não é suficientemente reconhecido pela maioria das pessoas é realmente intolerável. Por isso, tenta ainda mais explicitamente demonstrar ou tornar claro aos outros aquele que acredita ser o seu real valor. Procura sistematicamente que as pessoas o reconheçam, apreciem e valorizem”, pormenoriza. O que nem sempre acontece. Onde um narcisista vê superioridade, os outros, muitas vezes, veem “um comportamento altivo, arrogante”, alguém “incapaz de amparar as suas vulnerabilidades sem criticar”, define Nuno Mendes Duarte.

Narcisismo, na psicologia, refere-se a um conjunto de traços de personalidade, no limite, a uma perturbação. Uma coisa é ter dimensões narcísicas, irrelevantes e normalizadas, que não configuram uma perturbação. Outra coisa é a patologia narcísica. Rute Agulhas, psicóloga clínica e terapeuta familiar, faz as devidas distinções. A primeira é inofensiva e até pode ser autoprotetora. A segunda é outra história. “Esta perturbação de personalidade envolve um sentido grandioso do self: a pessoa considera-se acima de todas as outras, única e especial. Mais bonita, mais competente, mais importante e exige, por isso mesmo, ser tratada de uma forma igualmente especial e diferenciada”, sublinha. São pessoas egocêntricas e pouco empáticas, regra geral. “Sem capacidade de autocrítica, que tendem a desvalorizar e a criticar, de forma destrutiva, os outros de modo sistemático, entendidos com inferiores e menos capazes”, adianta Rute Agulhas.

Autoestima frágil, autoengano constante

A vida de um narcisista não é uma hipérbole levada ao limite máximo da sua existência. Há o outro lado da moeda, outros aspetos a considerar: baixa autoestima, medo de rejeição, dificuldade de criar e estabelecer ligações afetivas, de amar e sentir-se amado.

“Os narcisistas são inseguros, têm sentimentos de inferioridade”

constata Pedro Martins, psicólogo clínico e psicoterapeuta. Uma fachada mascarada de autoconfiança. E não se pode falar propriamente de amor-próprio em demasia. “O suposto excesso de amor-próprio pode ser visto com uma tentativa de esconder um sentimento de inferioridade, uma espécie de compensação”, repara. “Por não sentir que tem valor, tende a adotar condutas de compensação, através das quais procura disfarçar a imagem que tem de si próprio. Para se afirmar necessita compulsivamente de possuir e ganhar poder. A sua postura exibicionista leva-o a procurar rodear-se de pessoas deslumbrantes”, acrescenta Pedro Martins.

Catarina Mexia realça que, ao contrário das pessoas com um sentido seguro de autoestima elevada, “o narcisista possui aquilo que os investigadores designam como ‘autoestima elevada frágil’”. “A pessoa constrói a sua autoestima dependente da validação externa e do autoengano”, diz.

O narcisismo, como traço de caráter, divide-se em duas categorias: o grandioso e o vulnerável. Catarina Mexia descreve um e outro. “O primeiro, e o mais reconhecido, é aquela pessoa que procura constantemente atenção e o poder que lhe proporcionará o estatuto e protagonismo que tanto deseja. O narcisismo vulnerável apresenta-se como mais calmo e reservado, mas continua a ter um forte sentido de legitimidade e sente-se facilmente ameaçado ou desprezado se não é reconhecido da forma que deseja.”

As relações interpessoais com um narcisista não são tranquilas, pelo contrário. Rute Agulha fala em “padrões instáveis, inseguros e até agressivos”. “A pessoa com esta perturbação sente-se constantemente incompreendida e insuficientemente valorizada. Deseja ser sempre o centro das atenções e ver as suas expectativas, desejos e necessidades satisfeitos de forma imediata por todos.” Arrogância e a agressividade não são bem-vindas por quem está ao redor e o amor também pode não ser como se deseja. Segundo Rute Agulhas, no plano amoroso, “observa-se frequentemente um padrão de distanciamento e dificuldade em estabelecer relações de maior intimidade emocional.” Não é complicado perceber porquê. “Dificilmente se entregam e se dão a conhecer, o que gera relações mais superficiais e de afastamento.”

Reza a lenda que Narciso ficou encantado com o seu próprio reflexo na água, apaixonou-se por si mesmo, percebeu que o seu afeto não era correspondido e morreu nas margens do rio. Há a lenda e há a realidade. Donald Trump é conhecido por ter um ego inflamado. “Ninguém é mais forte do que eu”, disse um dia, como também afirmou que “ninguém constrói muros melhor do que eu”. O rapper e músico Kanye West também mandou o recado a quem o quis ouvir: “Podes ser talentoso, mas não és o Kanye West”. A socialite Paris Hilton mostrou como se olhava ao espelho. “Eu acho que a cada década há uma loira icónica: Marilyn Monroe, princesa Diana. Nesta década, eu sou esse ícone.” E, neste mundo, as redes sociais acabam por ser uma montra que alimenta, a cada segundo, egos inflamados.

Ideias atraentes, jogos disfuncionais

Como sobreviver a um narcisista? Há várias estratégias. Desde logo, pôr o pé no travão e estabelecer limites para não prolongar um jogo disfuncional, evitar uma posição de vulnerabilidade, não partilhar dimensões íntimas ou fragilidades. “Sempre que possível, não tolerar os comportamentos e não se colocar na defensiva perante posturas de sarcasmo, gozo ou desvalorização. A pessoa com personalidade narcísica está mais interessada em ganhar do que ouvir e mais interessada em promover a sua grandiosidade do que ter uma comunicação eficaz”, afirma Nuno Mendes Duarte.

Além de estabelecer limites, Catarina Mexia indica que é necessário abrir os olhos para ver como realmente a pessoa é.

“O seu charme, as grandes ideias e promessas são especialmente atraentes, mas enganadoras”

garante a psicóloga clínica. É importante perceber como lidam com a frustração e desrespeitam os outros. “O egocentrismo é uma das características de uma personalidade narcisista. Os limites entre o que lhes pertence, aquilo a que podem aceder, ou mesmo aquilo que os outros podem ou devem sentir não são claros e dá-lhes o direito de determinar as coisas de acordo com o seu direito.”

É necessário bater o pé em alguns casos, noutros, dependendo do tipo de relacionamento, a melhor solução é virar costas e não dar importância ao que é dito.

“Há que resistir a alimentar, através de discussões que não se podem ganhar, o prazer que muitos narcisistas demonstram ao prolongar a desvalorização, desqualificação e desprezo pelo outro”

frisa Catarina Mexia.

Dificilmente um narcisista reconhece que o é e procura ajuda. Rute Agulhas vai direta ao assunto: sem ajuda, baseada no reconhecimento das suas dificuldades, mudar é um processo extremamente complexo. “Resta tentar afastar-nos, o mais possível, de quem apresenta esta perturbação, se queremos proteger-nos de relações tóxicas e disfuncionais.”

Um narcisista é alguém socialmente perigoso, uma vez que a ligação ao outro assenta no controlo, no desprezo e no poder.

“O indivíduo com baixa autoestima é sempre um potencial agressor. Basta que se conjuguem a provocação e a condição de ser ou se julgar o mais forte”

avisa Pedro Martins. Há quem seja enganado ou se deixe enganar sem se aperceber. “As pessoas que têm relações com narcisistas apresentam, elas próprias, características que as levam a aproximar-se deles, ou permitir que se aproximem, e a desenvolverem e a permanecer em relações deste género.”

Não são monstros, mas contra-atacam, diz Pedro Martins. “Muitas vezes, ferozmente. Quase sempre proporcionalmente à dor que lhe causaram. Se receber uma crítica pode custar, ao narcisista custa o dobro ou o triplo. Daí o contra-ataque desproporcional e a dimensão da dor que inflige ao outro.”

A infância pode ajudar a entender esses traços de personalidade. Falta de afeto, de carinho, de valorização. “Provavelmente, era solitário(a), podendo ter crescido com adultos que lhe davam muita atenção, mas não lhe demonstravam tanto afeto, não estabeleciam limites e pareciam, de alguma forma, manipulá-lo(a)”, considera Nuno Mendes Duarte. A perceção de si, do Mundo, dos outros, a dificuldade em aceitar amor e sentir-se amado. “A dimensão mais visível é a sobrecompensação que a pessoa com personalidade narcísica apreende para sobreviver a um ambiente de privação emocional e humilhante. Nesta sobrecompensação, a personalidade narcísica exibe competitividade, grandiosidade, tendência de abuso sobre os outros e procura estatuto.” Uma procura que não pode ser feita a qualquer custo, abusos que não devem ser permitidos. É necessário ver além do espelho.

Traços de personalidade narcísica

  • Sentimento grandioso da própria importância. Exagerar feitos e talentos, por exemplo.
  • Acredita ser especial e único e que se deve associar a outras pessoas ou instituições de condição elevada que o compreendam.
  • Exigência de admiração excessiva.
  • Preocupação com fantasias de ilimitado sucesso, poder, inteligência, beleza ou amor ideal.
  • Comportamentos e atitudes arrogantes e insolentes.
  • Expectativas irracionais de tratamento especialmente favorável ou obediência automática aos seus anseios.
  • Explora sentimentos interpessoais de forma a tirar vantagem de outros para atingir os seus objetivos.
  • Ausência de empatia. Relutância em identificar-se com sentimentos e necessidades alheias.
  • Frequentemente sente inveja de outras pessoas ou acredita ser alvo de inveja alheia.

#foodforthought

Publicação original: https://www.noticiasmagazine.pt/2021/como-reconhecer-e-despachar-um-narcisista/estilos/comportamento/262370/

 
Leia mais...

from lorwe

Um dia vou dizer que te amo pela última vez. Um dia o meu coração vai deixar de bater por ti. Um dia tudo aquilo que te pertencia, todos os sonhos todos os projetos vão deixar de existir. Um dia a chama vai apagar totalmente. Um dia eu vou deixar de ser eu porque tu já não fazes parte de mim. Um dia eu deixarei de existir, porque deixámos de ser nós e passei a ser somente e apenas eu. Que esse dia nunca chegue.

Benjamim W. 07/08/2021

https://www.instagram.com/p/Chttk1XM3Lf/?utm_source=ig_web_copy_link&igshid=MzRlODBiNWFlZA==

 
Leia mais...

from The Whole Blog

I am a Dom. I am a human. I make mistakes. I learn from My mistakes as to not make them again.

Even though I am a Dominant it doesn't mean that I am cold hearted or don't have emotions and/or feelings. Somewhere along the way people in this lifestyle have perceived the notion that Dom's do not need the reassurances that subs do. This couldn't be further from the truth.

We are people too. We enjoy hearing that We did a good job at something. We want to hear that was an amazing scene or a fantastic spanking. Nice writing. Great picture. Everyone needs to hear “good job” or “way to go” at some point. If the good isn't over emphasized and only the negatives are then the person only knows that they aren't good enough.

At what point do people start to understand that Dominants have feelings, thoughts and emotions too? When and where did people stop realizing this? Just because the Dom is in charge doesn't mean that the Dom doesn't have a feeling or two that can get hurt along the way. We are in fact people too and it may surprise many that We are human as well. Everyone enjoys hearing that they did something good.

A good Dom will reward good and acceptable behavior in many ways. A simple good girl can work or washing her hair at bath time; a massage with lotion or back rubs while she falls asleep. When is the last time you have rewarded your Dom? Have you made your Dom spoiled and special lately?

Try to see things from a different perspective other than your own. A Dominant has many things to take into consideration. your thoughts and understandings. your training. your physical and mental well-being. your outlook. your attitude. your perception. Everything you do He/She has to take into consideration for good or bad. The Dom stays on top of everything playing chess not checkers as He/She thinks four or five moves in advance. This is no easy task. Add to this assignments, daily life, work, kids, bills, etc. etc. the list goes on and on.

In closing; I feel it is important to remember those who base Their whole life around you and what you're feeling by reminding them that They too are doing a good job. Even when they mess up. Because yes, W/we are all human and W/we all mess up.

But this is just one Dom's opinion.

Until next time,

Stay safe, make good choices and as always; stay kinky My friends.

-D

https://www.facebook.com/1068292759955431/posts/2349882448463116

 
Leia mais...

from demogorgon

A vida não é composta apenas de momentos bons ou de momentos maus, é um equilíbrio entre esses altos e baixos que pauta a nossa existência. Tendencialmente lembramo-nos dos momentos muito bons, embora fugazes, e atribuímos mais peso aos momentos menos bons na esperança que estes nos tragam lições de vida e nos impeçam de cometer os erros do passado. Vivemos nessa ilusão, que tudo são lições e jamais nos vamos deixar apanhar pelo destino. É precisamente nessa certeza incerta que a vida nos prega partidas e as lições que outrora pensámos aprendidas não passaram de ideias mal num post-it mal colado que ao mínimo abano desaparecem! São dores intrínsecas que fazem o nosso corpo vibrar, são sensações ampliadas que nos fazem sonhar, são promessas não cumpridas que vemos esvoaçar e são “erros” que teimamos em repetir…mas se os repetimos talvez não sejam erros, talvez seja o nosso subconsciente a tentar dizer que a felicidade mora ali, que por muitas voltas que o Munda dê, o caminho vai invariavelmente levar-nos até lá, que sabemos sem saber que a tempestade antecede a bonança e que o nosso porto seguro estará lá.

Hoje anseio por um gesto que me continue a acreditar, um gesto que sei que nunca vai surgir…hoje anseio pela calmaria mas sei que só encontro tormento…hoje procuro um porto seguro mas continuo à deriva…hoje sei que o amanhã é composto de incertezas certas.

 
Leia mais...

from demogorgon

Tempo...Quantas vezes pensei eu numa qualquer maneira de o moldar às minhas necessidades, ao meu jeito. No entanto o tempo parece sempre levar a melhor, fazendo por vingar males passados como punição... Tempo...insiste em não te trazer para perto de mim, demora em passar e o sofrimento de não te poder sentir parte-me o coração, deixa-o em mil pedaços! Tempo...vai ser o meu aliado nesta luta incessante e, por muito que outros o peçam, vai acabar por te trazer até mim...

 
Leia mais...

from The Whole Blog

Havelock Ellis in “Studies in the Psychology of Sex” says that sadism and masochism are so closely related, that they are complementary acts of love; pain is inflicted because of love, not abuse. For the pleasure of both giver and receiver.

He also states another little understood secret of the BDSM lifestyle—sadomasochistic activities (distinguished from abusive relationships) involve the “express request of the masochist” who gives the sadist emotional cues and mutually understood signals—in essence prompting and guiding the sadist on how to properly give him pleasure and pain.

Excerpt from “Dom’s Guide To BDSM Vol. 1: 49 Must-Know Tips On How To Be The Perfect Dom/Master Your Submissive Will Truly Respect & Admire (Guide to Healthy BDSM)” – Larocco, Matthew


Havelock Ellis, em “Estudos em Psicologia do Sexo”, diz que sadismo e masoquismo estão tão intimamente relacionados, que são atos complementares de amor; a dor é infligida por causa do amor, não de abuso. Para o prazer de quem dá e recebe.

Ele também afirma outro segredo pouco compreendido do estilo de vida BDSM – atividades sadomasoquistas (distintas de relacionamentos abusivos) envolvem o “pedido expresso do masoquista”, que fornece aos sádicos sinais emocionais e sinais mutuamente compreendidos – em essência, levando e guiando o sádico sobre como propriamente lhe dar prazer e dor.

 
Leia mais...

from The Whole Blog

(Ou “De falsas submissas”)

Não é, nunca foi e nunca será.

Alguns acham que para ser sub basta obedecer, servir e levar umas palmadinhas… obedecer só quando lhe convém, servir só quando lhe é agradável… como se obedecer e servir de qualquer forma bastassem. Obedecer quando quer é fácil, servir quando é interessante também, qualquer um pode fazer isso, crianças fazem isso o tempo todo e o mesmo não as torna submissas; o fazem de forma isolada, de acordo com as circunstâncias. O obedecer e o servir em uma submissa deve ser inerente a ela perante seu Dono , Ele estando presente ou não. Cabe ressaltar que não estou falando de uma obediência que torne a sub uma sem identidade. Sempre falo que a sub deve pensar por si, ver o que acha aceitável ou não, lógico que pode vir a mudar de opinião, aumentar seus limites, aprender, mas tem certas coisas que o não é não e pronto. Por isso o SSC é tão importante.

Ser submissa é além de obedecer e servir , no sentido REAL da palavra, é SENTIR a submissão, ter a POSTURA de uma sub com coleira, pois tudo o que fizer recai sobre seu Dono, afinal cabe a ele não apenas te proteger , mas te ensinar, te conduzir, te guiar, te educar.

Ser submissa é se superar todos os dias. É lidar com o desconforto de algumas situações. É estar disposta a aprender. É colocar seu Dono acima de você. É muitas vezes sorrir quando você quer chorar. É esperar. É saber quando é hora de falar e quando é hora de calar. É construir dentro de você a sua fortaleza.

Ser sub é estar disposta a aceitar a correção, o castigo, mas não apenas aceitar e sim aprender com ele. É se deixar moldar, transformar (e toda transformação dói) e agradecer por isso.

Ser sub é você se melhorar a cada dia em cada etapa de seu crescimento.

Ser sub é você honrar não apenas teu Senhor com gestos, palavras e ações, mas a você também.

Sofie Bianco https://queridolobo.tumblr.com

#foodforthought

 
Leia mais...

from demogorgon

Nunca fui bom orador...perco-me em divagações e acabo sempre por nunca dizer o que me vai na alma. Talvez seja uma maneira de me defender, uma maneira de encobrir a coragem que me falta na hora de dizer o que sinto...talvez por isso esteja aqui, agora... 

As palavras que vou desenhando no papel não parecem fluir como tantas outras que um dia escrevi, sinto a caneta presa, sem vida! A solidão abate-se, abate-me, abate-nos, e deixa-me sem palavras, sem os sons bonitos com que te costumo elogiar...triste, só, fraco... 

Mas não é isto que quero dizer, não é para falar de coisas tristes que aqui estou... Estou aqui pelas palavras que nunca te consegui dizer! 

Cada minuto, segundo, momento...cada cheiro, olhar profundo...ingenuidade marcada a cada acto, acção, pensamento...um medo enorme de estragar o mais belo dos retratos que alguém poderia pintar...tudo isto, só e apenas isto...o que sinto contigo, na tua companhia! 

Respiro-te, sinto-te, vivo-te para poder ser eu, para poder ser e fazer-te feliz...mas não chega! Mereces tudo, muito mais e ao mesmo tempo nada...não sou capaz mas tento, teimosia ou estupidez, não interessa... 

Triste e alegre, sou a pessoa que não conheces mas procuras incessantemente...sou eu quem te procura para me encontrar, sem nunca conseguir! Talvez, acho, talvez nunca te consiga encontrar mas de certeza que se não tentar nunca irei conseguir... 

Tudo isto, todas as palavras que nunca te consegui dizer... 

Gosto de ti...

 
Leia mais...

from NMF

Não sou nenhum modelo para me exibires as tuas amigas, eu sou meiguinho e fofinho, tenho a minha barriga que te dá conforto, tenho sempre um truque para te deixar o mais belo sorriso nos lábios, sou preguiçoso, é um facto, odeio o ginásio, prefiro ficar na cama contigo enrolado a fazer-te a mulher mais feliz do mundo, e acredita que fazemos muito exercício…

Sou como sou, uma imperfeição que encaixa na tua imperfeição de uma forma perfeita, os meus defeitos encaixam perfeitamente nas tuas virtudes, eu adoro cozinhar e tu detestas a cozinha, e por pior que eu cozinhe, estas sempre ali para me ajudar, estas ali com aquela garrafa que escolheste com o teu bom gosto, que abriste com o teu jeito, que serviste nos copos e me deste em mão a troco de um beijo enquanto me perco entre tachos e panelas…

Gostamos de coisas tão diferentes e no entanto somos tão iguais, das danças que dançamos ali perto do carro no meio da rua enquanto chove, como duas pessoas que eram tão diferentes podem ambas amar tanto dançar enquanto chove, só os loucos o fazem e eu sou tão louco por ti, como tu és louca por mim…

Eu sou o caos da casa, tudo espalhado e desarrumado, tu fã da arrumação, da limpeza, e eu ali com a mão no aspirador para te ajudar a arrumar, de limpeza em limpeza, de arrumação em arrumação, por vezes no meio de tanta arrumação, trocamos beijos sem vinho, por vezes trocamos o aspirador por uma sessão de exercício na cozinha ainda por arrumar, se tudo começa por um beijo, um abraço, um afago, uma caricia, outro beijo, e as coisas que um aspirado não consegue de forma alguma roubar, e as roupas que se espalham novamente, a cama arrumada que se desarruma, o calor, a vontade, tudo se consome como se liga…

Somos como somos, tantos defeitos ou virtudes, palavras tímidas roubadas num beijo, sentimentos trancados num abraço, arrumações numa casa, cozinhar um amor, é isso que é a vida, é para isso que nascemos…

 
Leia mais...

from NMF

Veste a lingerie que seja tão bonita quanto Tu Veste o vestido que jamais será tão belo quanto Tu Calça os stilletos que te deixam tão alta quanto eu Está noite servirei o jantar Serei o teu Anfitrião na festa que Te vou celebrar Serei o teu Cozinheiro com as mais belas iguarias que possas provar Serei o teu Sommelier e provarás o mais belo dos vinhos Serei o teu Doceiro e o teu palato provara o mais requintado dos doces Serei o Barman e servirei o mais delicado cocktail Serei o teu Poeta com o mais belo dos poemas Serei a tua melhor companhia Como Amante irei sem dúvida ser a tua sobremesa E sobre a mesa já despida do jantar Irei saborear o teu corpo com o mais refinado caviar Irei degustar o mais fogoso vinho jamais servido Beijos irei servir a gosto de cada desejo Caricias irei cobrar a cada vontade que lhe apetecer Por fim naquela mesa despida Teu corpo despido irei tombar Irei provar tudo o que me for permitido Será prazer ou tesão Orgasmos serão com certeza

 
Leia mais...

from lorwe

Que se Foda a Lua Que se Foda aquele amor de Verão, Que se Foda a Promessa de um dia ser Feliz

Que se Foda o Sonho Que se Foda o Acreditar, Que se Foda o Vazio da Vida

Que se Foda o Demónio que te Deprime, Que se Foda Tudo e Todos Que se Foda o Amor e Todos os Corações Partidos

Benjamin W.

 
Leia mais...

from NMF

Estou de alma inquieta, sinto-me um drogado a precisar de uma dose de droga, estou ressacado, esta ressaca que me desperta para este mundo, onde tu não estás, ainda há breve minutos saíste de ao pé de mim, onde me deixaste tombado depois de me castigares o corpo com orgasmos atrás de orgasmo, numa luta sem igual…

Fecho os olhos para evitar esta ressaca…

Ontem vieste ter comigo, precisavas de falar algo, pessoalmente, combinei como habitual o café da praxe, mas na minha casa, não estava com vontade de ouvir pessoas a falar alto, crianças em birra, gosto de paz, vieste ao meu encontro, trazias uma camisa branca com as pontas amarradas num nó, dava para perceber bem o soutien de desporto que trazias por baixo, umas calças bastante justas que formavam as curvas do teu corpo, sinceramente, aquelas roupas que usas no trabalho, nunca deram azo a que imaginasse outra coisa de ti que uma mulher dedicada ao seu trabalho incapaz de partir um prato.

Recebi-te em casa, trazia uns calções e uma camisola velha toda esfarrapada, gosto de roupas largas e bastante coçadas, gosto de andar há vontade, e nem precisava de me arranjar, era apenas um café, e provavelmente algo relacionado com trabalho, não existia outras conversas entre nós a não ser trabalho.

Durante o café perguntei qual o assunto que te trazia, e quase de uma forma provocativa me acusaste de ter assediado com os olhos no dia que tinhas levado um vestido com decotes generosos, como se pode assediar alguém com o olhar, fizeste questão de me explicar como, olhando com desdém para o meu sexo ainda coberto pelos meus calções, ao que retribui olhando de cima para o peito tapado pelo soutien desportivo, e como quem não quer a coisa mandei para o ar, o facto do soutien não me permitir qualquer assédio, ao que retorquiste que o mesmo poderia sair, e nesse momento, tiraste o chão dos meus pés, na minha própria casa, senti-me apanhado por um enorme martelo, passados segundo de pensar no assunto retorqui para o mesmo desaparece, “bluff” pega sempre bem, mas o pedido para ir ao quarto de banho, deixou-me em pulgas, e quando saíste do mesmo, a camisa ainda vinha amarrada, mas o soutien desaparecera, e mais uma vez o chão voltou a desaparecer, e eu fiquei sem armas para assediar, nunca a tinha olhado numa forma de assedio, olhei sim, como qualquer homem que olha para uma mulher, não me babei sequer, talvez um pouco.

Depois de sentares no sofá, disseste novamente para te assediar, mas de uma forma mais convincente, eu retorqui uma barbaridade qualquer pois era tudo demasiado para mim, e não te fizeste rogada e tu assediaste-me quando a tua mão roçou o meu sexo, assumo, estava completamente doido, algo impossível de acontecer, estava a acontecer bem na minha frente, a mão que tocou nos meus calções, tocou de raspão no meu sexo duro, e nova acusação de assedio, estava excitado por estar ao lado dela, que já não podia responder por ela, os atos, os meus atos diziam tudo, pelo que decidi acabar com a palhaçada, segurei ela com firmeza nos braços e preguei-lhe um beijo daqueles de faltar o ar, e assim que ela se livra dos meus lábios, note-se, não resistiu ao beijo, acusa-me de assedio sexual, na forma tentada, e a minha resposta foi que não existia cá tentativas, iria haver sim, consumação imediata.

Vieste para o meu colo durante os beijos ardentes que se seguiram, as respirações lentamente ficaram ao rubro, o teu corpo a roçar-se no meu sexo cada vez mais duro, quando segurei as ancas com as mãos, deslizei no caminho do teu sexo, estava completamente encharcado, e quente como eu sei lá, fervias.

Dos beijos que tinha de tudo, as línguas inquietas, as pequenas dentadinhas atrevidas, e as roupas que começaram a tombar no chão a um ritmo vertiginoso, os afagos e as caricias, umas decentes, outras nem por isso, a divisão parecia um forno onde uma batalha se travava sem rendições, os beijos que eram beijos, as caricias com a língua nos mamilos já de si arrebitados, excitados com a tesão, e ao afagos entre as pernas, procurando acariciar o clitóris para provocar aqueles longos gemidos quentes e húmidos, tudo valia naquela batalha, até mesmo quanto enfiaste a mão dentro dos meus calções e seguraste o meu sexo pela base e puxaste propositadamente para me parares.

Já não existia qualquer controlo, nada estava controlado, antes pelo contrario, as calças rapidamente esvoaçaram, e voltaste a sentar em mim, confiante do teu desejo procurei o nosso encaixe, sentir o teu calor no meu corpo, sentir a excitação louca, e tu sempre a fugir, fazias aquela dança do teu sexo a roçar no meu, a deixar-me completamente do mais doido que pode haver, e ainda assim tiveste o descaramento de me agarrar no sexo e roçares-me no teu clitóris, qual eu fosse um vibrador, mas a minha excitação já estava completamente descontrolada e deixei-te comandar.

Por fim, os nossos corpos atracaram-se, o encaixe foi profundo, violento, explosivo, e o teu comando foi lento, nem mesmo quando segurei os teus cabelos como que puxando para aumentares o ritmo, a cadencia foi lenta, profunda, acompanhada de gemidos de gozo a cada deslizar, nem as palmadas, nem os puxões de cabelo, nada te tirava daquilo que querias, daquilo que desejavas, os movimentos eram por assim dizer perfeitos, uma cadencia descontroladamente controlada, e quando por fim os nossos corpos não aguentaram mais, os gemidos de prazer ecoaram pela sala.

Primeira coisa que me dizes quando recuperas, amanhã faço queixa de ti por violência doméstica, consumada, de mim, apenas roubas uma gargalhada…

Agora é tempo de conheceres o resto das divisões da casa, ainda tenho muita parede para te assediar…

 
Leia mais...

from lorwe

Não sinto saudades de ti. Sinto saudades de nós. Da promessa do amor eterno. Sinto saudades do nosso riso. Sinto saudades de estar embriagado contigo. Embriagado, bebado de amor por ti. Sinto saudades de quando o meu mundo eras tu, de quando nós éramos tudo. Sinto saudades dos nossos projectos, dos nossos sonhos. Sinto saudades de contemplarmos as estrelas, a lua saudades de ouvir sou tua. Sinto saudades de nós. Não sinto saudades de ti.

Benjamim W.

 
Leia mais...

from snows

Amor Amor Rima com cor, Com dor, Calor...

Amor Amor O nosso encontro Com o nosso eu Com o nosso dentro

Amor Amor Que nos confundes Nos fazes pensar E nos rendes

Amor Amor Que brilhas Nos guias E nos iluminas

Amor Amor Nunca desapareças Nunca faleças Porque precisamos que nos aqueças

© Snows, 2023

 
Leia mais...