demogorgon

A vida não é composta apenas de momentos bons ou de momentos maus, é um equilíbrio entre esses altos e baixos que pauta a nossa existência. Tendencialmente lembramo-nos dos momentos muito bons, embora fugazes, e atribuímos mais peso aos momentos menos bons na esperança que estes nos tragam lições de vida e nos impeçam de cometer os erros do passado. Vivemos nessa ilusão, que tudo são lições e jamais nos vamos deixar apanhar pelo destino. É precisamente nessa certeza incerta que a vida nos prega partidas e as lições que outrora pensámos aprendidas não passaram de ideias mal num post-it mal colado que ao mínimo abano desaparecem! São dores intrínsecas que fazem o nosso corpo vibrar, são sensações ampliadas que nos fazem sonhar, são promessas não cumpridas que vemos esvoaçar e são “erros” que teimamos em repetir…mas se os repetimos talvez não sejam erros, talvez seja o nosso subconsciente a tentar dizer que a felicidade mora ali, que por muitas voltas que o Munda dê, o caminho vai invariavelmente levar-nos até lá, que sabemos sem saber que a tempestade antecede a bonança e que o nosso porto seguro estará lá.

Hoje anseio por um gesto que me continue a acreditar, um gesto que sei que nunca vai surgir…hoje anseio pela calmaria mas sei que só encontro tormento…hoje procuro um porto seguro mas continuo à deriva…hoje sei que o amanhã é composto de incertezas certas.

Tempo...Quantas vezes pensei eu numa qualquer maneira de o moldar às minhas necessidades, ao meu jeito. No entanto o tempo parece sempre levar a melhor, fazendo por vingar males passados como punição... Tempo...insiste em não te trazer para perto de mim, demora em passar e o sofrimento de não te poder sentir parte-me o coração, deixa-o em mil pedaços! Tempo...vai ser o meu aliado nesta luta incessante e, por muito que outros o peçam, vai acabar por te trazer até mim...

Nunca fui bom orador...perco-me em divagações e acabo sempre por nunca dizer o que me vai na alma. Talvez seja uma maneira de me defender, uma maneira de encobrir a coragem que me falta na hora de dizer o que sinto...talvez por isso esteja aqui, agora... 

As palavras que vou desenhando no papel não parecem fluir como tantas outras que um dia escrevi, sinto a caneta presa, sem vida! A solidão abate-se, abate-me, abate-nos, e deixa-me sem palavras, sem os sons bonitos com que te costumo elogiar...triste, só, fraco... 

Mas não é isto que quero dizer, não é para falar de coisas tristes que aqui estou... Estou aqui pelas palavras que nunca te consegui dizer! 

Cada minuto, segundo, momento...cada cheiro, olhar profundo...ingenuidade marcada a cada acto, acção, pensamento...um medo enorme de estragar o mais belo dos retratos que alguém poderia pintar...tudo isto, só e apenas isto...o que sinto contigo, na tua companhia! 

Respiro-te, sinto-te, vivo-te para poder ser eu, para poder ser e fazer-te feliz...mas não chega! Mereces tudo, muito mais e ao mesmo tempo nada...não sou capaz mas tento, teimosia ou estupidez, não interessa... 

Triste e alegre, sou a pessoa que não conheces mas procuras incessantemente...sou eu quem te procura para me encontrar, sem nunca conseguir! Talvez, acho, talvez nunca te consiga encontrar mas de certeza que se não tentar nunca irei conseguir... 

Tudo isto, todas as palavras que nunca te consegui dizer... 

Gosto de ti...